segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

CONSPIRAÇÃO

"João amava Tereza
que amava Maria
que amava Joaquim
que amava Lili
que não amava ninguém

João foi para os Estados Unidos
Tereza foi para um convento
Raimundo morreu de desastre
Maria ficou para a tia
Joaquim suicidou-se
e Lili casou-se com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado nessa história"

Carlos Drumond de Andrade - 'Quadrilha'

Continuação....

Maria, que ficou pra tia, foi passar férias com os sobrinhos na Disney e eis, que saindo da Montanha Russa escura, percebeu que quem estava ao seu lado era João. Tinha passado 10 anos e ele tinha um filho gringo de quem deveria tomar conta no fim de semana. Nada melhor do que um parque!
Enquanto os dois sobrinhos de Maria e o filho de João selavam amizade por mímica (afinal o menino só falava inglês) no auge dos seus 8, 7 e 6 anos de idade, os amigos de infância colocavam o papo em dia. João era primo de Tereza, com quem Maria teve sérias desavenças por causa de Raimundo.
Raimundo era o filho do zelador do prédio de Maria. Todos sabiam que ele gostava dela, mas, ela muito esnobe e metida a rica, sempre desprezou o rapaz que, com 1,90 e moreno jambo, ia chorar as mágoas para João, companheiro de praia. Todo dia no fim de tarde em Ipanema, Tereza, a prima, aparecia.
Maria também acompanhava as peladas da praia, afinal, Joaquim, seu único amor participava da turma.
Da última vez que se encontraram, Maria e João estavam no enterro de Joaquim, que se suicidou dias antes do casamento com Maria. Descobriu que Lili, com quem estava saindo há uns tempos estava de casamento marcado com J. Pinto Fernandes, dono da construtora onde trabalhava como estagiário.
Assim, Maria ficou pra tia. Nunca mais quis saber de ninguém, nem de Raimundo que insistia em lhe mandar flores. Tereza entrou para o convento depois de ter sido pega na cama com João, seu primo. A avó que deu o flagra ficou cega e como penitência ela se entregou à igreja. Pediu para que Raimundo a levasse em seu fusca que capotou na volta para casa lhe custando a vida. Morreu de amor!
Passados tantos anos, João pela primeira vez reparou em Maria. Percebeu que sempre foram feitos um para o outro. Desde os idos das areias de Ipanema. Desde ali, não se separaram mais. Maria embarcou os sobrinhos e ficou na terra de Tio Sam.
As coisas na vida são simples e conectadas. Daí vem 'o destino traçado na palma da mão'. O destino está nas suas mãos. Cabe a nós abrirmos os olhos, os ouvidos e o coração para o que o mundo nos mostra, nos diz e nos faz sentir.
Acima de tudo: Copérnico estava certo: o mundo é redondo!

Um comentário:

  1. Gostoo!! Mas ta faltando um pedaço do poema no começo, não?!

    ResponderExcluir